domingo, 21 de junho de 2009

Senhor dos destino


Passam-se burocraticamente os anos... trocam-se as chefias... trocam-se as mesas em courvim e as cadeiras giratórias.... aumentam as minhas dores nas costas. Certas coisas mudam. Mas aprendi desde cedo na carreira que a há coisas que não mudarão nunca. Há coisas que encerram a própria essência angustiada do burocrata: vazios, inércias; ausências; silêncios; carimbos e ofícios...

É preciso adaptar-se delicadamente às lerdezas da Repartição ou sofrer as chagas de uma eficiência estéril... Perdendo a dignidade na tentativa de se mostrar útil... Esse é o caso do nosso pobre chefe.

Desde que a Seção de Contratos lhe enviou um ofício implorando para que nao lhes fossem mais encaminhados Relatórios que não fossem requisitados, que não tinham motivos para existir, e que ocupavam inutilmente espaço na sala de arquivos, o chefe deprimiu-se e não vem trabalhar.

Ele não vem trabalhar e por consequência a Repartição fica como eu a encontrei hoje...

Vazia.

As mesas vazias... o balcão vazio... o secar de uma almofada de carimbo ao relento... e um mosquito que hiberna sobre uma impressora encardida.

Não havia ninguém.

Mas eu sabia muito bem onde todos eles estavam. Atravessei as mesas solitárias, passei pela cozinha e já pude ouvir os burburinhos nos fundos. Os vagabundos se reuniam em torno de uma mesa plástica... alguns de pé, outros sentados... mas todos igualmente resguardados sob a sombra daquela árvore feia e mal cuidada... a única em todo o descampado poeirento do quintal.

Puderam me ver chegando. E perceberam meu olhar inquisitor de quem mesmo sem moral nenhuma para questionar vagabundagens, ainda que saber: "Por que vocês não estão lá dentro?"

Antes que eu abrisse a boca para perguntar qualquer coisa a Sra. P foi logo se adiantando:

"Disseram que a caixa d´água está transbordando e o teto ameaça ceder sobre nossas cabeças... nessas condições não dá para trabalhar."

E voltaram a tagarelar alegremente tal qual crianças desfrutando o horário vago na falta de um professor ao compromisso.

Eu peguei um café e fiquei por lá a rondar os vagabundos. Aqueles assuntos realmente não me interessavam: receitas de canjiquinha e arroz-doce; relatos de gloriosos feriados no hotel-fazenda; consultas ao médico; diagnósticos desencontrados; e cânceres em família. O único ali que poderia me entreter era o Sr. R- que mais uma vez havia atestado sua sagacidade saindo mais cedo do expediente.

Ficar ali era perda de tempo.

Resolvi entrar por dois motivos: 1) Talvez ver de perto a caixa d´água explodir e ser soterrado em meio aos escombros da Repartição fosse a coisa mais emocionante que pudesse acontecer comigo em toda a minha vida de burocrata; 2) Desde que eu botei os pés na Repartição hoje, eu vinha sentindo meu coração palpitar dizendo que algo de importante estava para acontecer.

Entrei e sentei-me ao balcão.

Apurei o ouvido para qualquer baruho estranho vindo do teto que anunciasse a catástrofe. Mas eu nada ouvia.

Fiquei lá a tarde inteira à espera de alguém... um advogado insolente com um falar difícil... um cidadão comum que viesse humildemente pedir uma informação.

Mas ninguém veio. Os vagabundos também não vieram.

Já adentrava o fim de expediente... o sol se punha... tudo ficara ainda mais triste... o café ficava mais frio... e eu preparava para deixar o balcão quando ele entrou.

Era alto... sua presença impunha... e mesmo tentando, não conseguia dissumilar que ele não era. Mesmo debruçando sobre o balcão e escondendo o rosto envergonhadamente por trás dos óculos escuros, não pude deixar de reconhecê-lo.

Por respeito ao seu esforço, fingi não saber quem ele era. Fingi que não se tratava de um famoso ator que há muito andava desparecido do horário nobre.

Antes poderoso; rodeado por lindas mulheres; dono de um grande ego semanalmente massageado no Faustão... Agora cabisbaixo; feito um cachorro assustado; implorando por urgência na certidão.

O que fazer numa situação dessas? Qual é a coisa certa?

Compadecer de seu sofrimento, driblar todos esses procedimentos burocráticos patentemente inúteis e dar-lhe logo a certidão? Ou por respeito ao brasileiro médio, submetê-lo aos mesmos trâmites que tanto desespero causam às pessoas comuns?

A vida biônica de burocrata nos impõe dilemas para os quais nossos corações humanos não estão preparados para enfrentar.

O homem não é um número... a lei não é senhora de nossos destinos.

Enquanto eu pensava nessa coisas ele irrompeu impacientemente do outro lado do balcão:

"Dá para agilizar? Tenho mil e um compromissos para ontem..."

Ele tornara as coisas mais fáceis...

Dei-lhe então a lista com todos procedimentos para se obter a certidão... imprimi 3 guias de recolhimento a serem pagas no banco... e orientei-lhe que voltasse daqui a 1 semana.

E aqui na Repartição até hoje o teto ameaça despencar.

5 comentários:

  1. Talvez você tenha sido um pouco rude. Se ele aparecia no Faustão, vai que era no quadro "se vira nos trinta"? Nesse caso, teria que agilizar mesmo...

    ResponderExcluir
  2. Olha, de fato, o camarada pode ter facilidado a resposta de qualquer burocrata, claro, dependendo do tom e da polideza com que manejou a frase "Dá para agilizar? Tenho mil e um compromissos para ontem..." ... Mas essa revanche do vegetal sobre a pessoa de vida mais ou menos interessante, que é normal às pessoas que a passam fora de repartições, talvez nao seja o caminho mais duradouro para a felicidade dos burocratas. No momento talvez o gozo seja grande, e motivado pelo pensamento de que ao menos assim, como obstáculo, se fará notar. Mas essa vaidade toda pra quê, não escolheram eles o caminho da televisao, da fama, ainda mais em vagabundos cuja visao e realizacao do mundo se inscreve nos poucos metros quadrados de sua reparticao. E aqui eu os alerto, Burocratas, que o verdadeiro Senhor do Destino no uso da máxima “os humildes serão exaltados e os soberbos serão humilhados” o faz numa realidade com as consequências semelhantes a da iniciativa privada. Na vida fora da repartição, nada é eterno..

    ResponderExcluir
  3. Companheiros, reconheçam q falta a nós a verdadeira "sabedoria burrocrática"...vcs estão discutindo um milhão de coisas e se esquecendo da questão mais importante de todas: "o que teria feito o Sr.R nessa situação?"

    ResponderExcluir
  4. Sr. R é REI!!!!!!!

    ResponderExcluir
  5. acho que o blog tá tomando o mesmo rumo de uma reparticao pública..

    ResponderExcluir

 
BlogBlogs.Com.Br